11/12/2017

Wonderland Lisboa pela minha lente!

Chegou o novo Huawei Mate 10 Pro! E nós fomos experimentar as suas novas pontencialidades. Onde? No Wonderland Lisboa, claro! Nada melhor que o ambiente Natalício para dar (ainda) mais vida às fotografias captadas pela câmara dupla espectacular da Leica que vem incorporada no telefone.


O Huawei Mate 10 Pro faz qualquer totó parecer um fotógrafo profissional. Porquê? Porque traz consigo uma tecnologia inteligente que consegue identificar diferentes tipos de cenários e objectos. A lente da Leica identifica se estamos a fotografar uma paisagem, um animal, uma pessoa, até um prato de comida! E faz o ajuste automático de luz, contraste, cor, brilho e exposição da câmara. O telefone consegue até decorar (leram bem! decorar!) a nossa cara e, sempre que tiramos uma selfie, ele já sabe como gostamos e queremos aparecer. Ajustando automaticamente os filtros que mais gostamos à nossa cara. (Estou fascinada com o branqueamento de dentes!!!)






A outra parte boa (porque num sítio como a Wonderland, não conseguimos parar de registar todos os momentos) é a gestão inteligente da bateria do telefone. A grande novidade é que, para além de conseguirmos ter a bateria carregada a 58% em apenas meia hora, é que o telefone ajusta os consumos conforme o que está a ser utilizado. Ou seja, desliga todas as aplicações que não estão a ser usadas no momento, fazendo com que, ao fim do dia, tenhamos mais 1h a 2h de autonomia. Só para terem uma noção, estivémos no Wonderland das 10:30 às 17:00 com a câmara a ser constantemente usada e cheguei a casa com 83% de bateria no telefone. É absolutamente inédito!

E porque é Natal! E porque eu gosto muito de vocês! Quero só avisar-vos que podem ganhar um Huawei Matre 10 Pro (no valor de 879€)! Só para vocês!!! Como? Vou explicar tudinho.





- Têm de se deslocar ao Wonderland Lisboa até ao dia 25 de Dezembro
- Tirar uma fotografia no evento
- Partilhar no vosso Instagram com as #momentohuawei #inteligenciaartificial #huaweimate10pro
- Fazer um like na página da Huawei Mobile PT do Instagram
- Fazer um like na página da Huawei Portugal no Facebook aqui!

O prémio será atribuído à fotografia mais criativa! E os resultados serão divulgados nas redes sociais da Huawei no dia 27 de Dezembro.

Nota importante: Têm de ter o perfil do Instagram público para que as vossas fotografias possam ser visualizadas pelo Júri.





 Podem consultar o regulamento do Passatempo aqui



08/12/2017

Fui ao Karaoke!

Sim! É verdade! Esta que vos escreve foi ao Karaoke. E sobreviveu! E a audiência também.

Anos! Passaram-se anos desde a última vez! Não me lembro sequer quando foi a última vez. Mas passaram-se seguramente 20 anos desde que pus um pezinho num evento de Karaoke.

É interessante como pouco ou nada mudou desde então!

O animador continua a usar gel do cabelo. E continua com aquela voz de carrinho-de-choque em versão romântica com umas piruetas pelo meio. E também continua a cantar temas belíssimos como as Borbujas de Amor, mas agora em versões mais modernas que, em vez de nos pôr a chorar de desgosto de amor, põe-nos a  roçar, ao nível do corpo, no amor seguinte. (Eu não me rocei em ninguém! Estava só a ver como se fazia!) Dizem que aquilo é Reggaeton.

Ao nível dos artistas. Também nada muda!!! O cinquentão de voz Elviana que canta o New York continua lá. Também continua a alhar os falsetes, mas... Sim senhor! Temos de lhe tirar um chapéu porque canta melhor que a maior parte do comum dos mortais.

Aquela miúda que ninguém liga porque acha que não vai dar nada mas, de repente, saca de uma corda vocal ao nível da Adele e toda a gente pousa os copos, olha para a miúda com os olhos fora das órbitas e os queixos caídos e no fim acaba tudo em estado apoteótico a gritar e a bater palmas e a tentar arranjar o número de telefone do Simon Cowell. Essa miúda? Também ainda lá está!

Aquelas amigas meias bebadas, meias alegres, que insistem em cantar coisas cujo ritmo não conseguem acompanhar e cujas cordas vocais nunca vão conseguir atingir, mesmo que fossem operadas pelo cirurgião da Raínha Letícia, ainda estão lá! Ah espera! Essas éramos nós!!!

Estão a ver o Homem do Leme dos Xutos? Não falhou!

E a Água Fresca da querida Dina? Também não falhou!

Basicamente está tudo igual! Até os papelinhos e os catálogos de micas com as folhas meias rasgadas são os mesmos. A única diferença é que, nos intervalos, danças o Despacito em vez da Macarena. Mas acho que o Despacito é apenas uma evolução mal conseguida da Macarena.

A bem da verdade, não me ria tanto há muito tempo!!! E isso trabalha bem o abdominal.

05/12/2017

Um flagelo chamado frio!

Como se, levantar da cama, não fosse já tortura suficiente, ainda temos de escolher roupa. E escolher roupa no Inverno (eu sei que ainda estamos no Outono!) não é o mesmo que escolher roupa no Verão!!!
- Ah... Este top maravilhoso fica mesmo bem com aqueles jeans brancos!!!

E enfias os ténis e ‘tá a andar!!!

- Ah! Vou só enfiar este vestido por cima do bikini!

E enfias os chinelos e ‘tá a andar!!!

As maravilhas do tempo quente!!!


Quando estão temperaturas abaixo de 10°C, a coisa complica-se... Porque estás-te nas tintas para o facto daquelas calças mais quentes combinarem com aquela camisola interior (o que é feito da Termo-tebe??? Ainda existe? Escereve-se assim?), e que aquela camisola interior combine com aquela malha de gola alta e que, por sua vez, aquela malhinha de gola alta combine com aquele camisolão a imitar caxemir, e finalmente que tudo combine com aquele kispo com forro de pelo!

Basicamente estás apenas a ter espasmos musculares derivado ao frio, que te proporcionam também espasmos ao nível intelectual e no fim só pensas....

- Safôda!!!!!!!!!! Veste essa merda toda!!!!!!!!!!!!!!!

04/12/2017

Agora sim! São meus!

Faz hoje 3 meses que vos vi chegar! E garanto-vos que vocês estavam tão assustados quanto eu. Vocês porque não me conheciam e eu porque, para além de não vos conhecer, tinha medo de vos falhar. De não saber ir ao vosso encontro. De não vos responder como e quando precisassem.

Faz hoje 3 meses que vos vi chegar. Já vos conheço as manhas, já vos conheço o choro. Já vos conheço as gracinhas e já vos entendo nas chinesices que vão dizendo. Já quase vos conheço pelo cheiro. Está quase!

Muitos colos depois, muitos choros depois, muitas fraldas depois, muitas brincadeiras depois, já vos conheço. Houve dias em que saí da escola cansada. Assustada e com medo de não conseguir.

Hoje, valem-me os vossos sorrisos quando me vêem. Valem-me os vossos braços abertos a correr para o meu colo. Valem-me os vossos abracinhos cheios de sorrisos e baba. Muitas vezes ranho à mistura! Valem-me os vossos ciúmes quando abraço um e não o outro. Valem-me os vossos olhares desafiadores à espera das cócegas e das brincadeiras. Valem-me as vossas corridas quando me vêm a por material na mesa para ver qual chega primeiro. Valem-me vocês.

Faz hoje 3 meses que vos vi chegar! E a agora sim! Já posso dizer que são meus!!!

02/12/2017

Isto antes não era assim!!!

Tirei as coisas lá de cima do armário para fazer o Pinheiro de Natal! Percebi depois de montar a árvore e tirar os enfeites que não tinha luzes! [que raio aconteceu às luzes do ano passado?]

Saí para ir comprar luzes novas. Mal sabia eu onde me ia meter. Antigamente, quando queríamos luzes para o Pinheiro de Natal, só tínhamos de as comprar. Sem grande esforço mental. Vá... Tínhamos de escolher luzes brancas ou de cores. Hoje em dia é todo um Mundo novo! Devia haver uma formação à entrada das lojas sobre luzes de pinheiros de Natal!!!

Havia uma secção inteira só para o efeito. Não era uma prateleira! Era uma secção!!! Se tivessem de chamar a menina dos patins [se ela ainda existisse], não diziam “Funcionária à secção de Natal!”! Diziam “Funcionaria à secção das luzes de Pinheiro de Natal!” (Espero que tenham lido esta parte com voz nasalada e as palavras arrastadas!!!)

Começo por ter alguma dificuldade em conseguir encontrar luzes com tomada! Metade eram com pilhas! Eu não queria com pilhas. Apenas uma tomada para ligar à electricidade. E as pessoas são super civilizadas, por isso estava tudo misturado e eu ainda corria o risco de trazer uma luz de exterior ou de estádio de futebol. Por isso, a concentração começa aqui: encontrar luzes com tomada eléctrica! De interior!

Depois temos de escolher o formato! Ohhhhhh o formato! Há toda uma gama de formatos. É por isso que nós somos assim!! Não tivemos uma infância com luzes de Pinheiro de Natal com formatos! As nossas só picavam o dedo! Ainda por cima....

- Floco de Neve
- Estrelas
- Corações
- Bolinhas
- Bolinhas pequeninas
- Bolinhas médias
- Bolinhas grandes.
- Blotinhas transparentes
- Bolinhas opacas
- Bolinhas de neve
- Bolinhas de madeira
- Os corações também variam entre o metal, plástico e madeira. [Sendo que cada material existe em 3 cores disponíveis!]
- Renas
- Caras de Pai Natal
- Sinos
- Luas
- Duendes
- Pilinhas [Esta não! Mas podia!]

Depois de muito reflectir... E de escolher as Bolinhas. Só Bolinhas! Há que passar para a seguinte especificidade. Queremos luzes com quantas lâmpadas? 25? 60? 90? 120? Hum... Pois! Sei lá eu! Quero luzes!!! Que dêem para o Pinheiro inteiro! SEI LÁ EU QUANTAS QUERO!!!

Depois há as luzes com 5m, 10m, 15m... Mas que raio....

Finalmente chegamos à cor! Sim! As luzes, as próprias, também existem em pantones disponíveis. Temos as luzes às cores, as encarnadas, as azuis, as amarelas e as brancas. Não sem haver um branco frio e um branco quente. Pois claro!

O mais complicado é conseguir conjugar numa caixa, exactamente aquilo que queres!

Bolinhas, com 120 lâmpadas de 6m em Branco quente de interior e com tomada eléctrica!

É capaz de ser mais fácil arranjar um moreno, educado, simpático, honesto, disponível, fiel, bonito e rico!

Claro que saiu tudo trocado!!!
E as luzes também!...


24/11/2017

Acho que descobri a pólvora!

Ontem deu-me um click! Se calhar era já óbvio para outras pessoas. Mas para mim não! Só ontem me fez sentido. E eu que achava que andava a fazer tudo certo. [Mas claramente não...]

Sempre que uma relação acaba, a nossa tendência é analisar o que foi mal feito. Claro! Se deu errado, não vamos analisar o que foi bem feito. E quando algo dá errado, assumimos que não vamos voltar a repetir os mesmos erros. Claro! Para não errar novamente!

É tudo tão óbvio! [E tão obviamente estúpido!]

Andamos [falo por mim] a tentar consertar erros dos outros em nós. A tentar corrigir no próximo as falhas do anterior. Esquecendo-nos [me] que o próximo e o anterior não são a mesma pessoa. Nem funcionam da mesma forma. E ando há anos a cometer o mesmo erro, indo em busca daquilo que eu julgava estar certo. Que basicamente era o que estava errado com o anterior. Mas não necessariamente com o seguinte! [Se calhar é melhor irem buscar um copo de vinho para poderem acompanhar esta salgalhada que para aqui vai...]

Eu achava que “agora” precisava era de um homem que gostasse de cães, que quissse uma família. Porquê? Porque foi o que não deu certo com o anterior.

E com o anterior eu queria era um que fosse católico e que  me tratasse como uma princesa! Porquê? Porque também foi o que não funcionou com o anterior.

Ontem, entre amigas, [e na brincadeira] comentava que agora eu queria era um portista! Porque chega de benfiquistas! E de sportinguistas! [Acho que nunca tive um portista! E se calhar o erro é esse!]

Fiquei depois a pensar mesmo o que queria eu... Ou gostava! E foi aí que me deu o click. O tal da pólvora [que se calhar já era óbvia para tantos, mas não para mim!] Andamos uma vida inteira a tentar remendar erros de uns nos outros. Quando os seguintes não têm culpa do que não funcionou com o anterior. E quando nós próprias não lidamos com duas pessoas diferentes da mesma forma.

Se calhar temos é de esperar para ver! Aceitar quando chegar. Aceitar não! Apreciar! E deixar a vida encarregar-se do que vier a seguir. Se calhar não é tanto a pólvora que eu descobri. Se calhar é o óbvio. Mas também dizem que é preciso cair 7 vezes e levantarmo-nos 8, não dizem?

22/11/2017

Em busca das bananas perdidas???

Não tenho bananas em casa há 2 dias. Não haver bananas nesta casa é quase como se não houvesse ar para respirar. [Tenho um filho viciado que não come mais fruta nenhuma...]

Ontem fui a um supermercado que tinha o Stock esgotado... 

Hoje mais dois... 

Às tantas encontrei uma funcionária... 

- Boa tarde! 
- Boa tarde! 
- Não há bananas? 
- Não! 
- Mas o que se passa com as bananas neste país????? 
- Não sei... Mas porquê? 
- Porque eu ando à procura de bananas desde ontem!!!! E não há bananas! Eu preciso de bananas!!!




Um pedido de desculpa à menina que me atendeu e um agradecimento sincero por não ter chamado o 112! Nem a GNR! 

Quando tentas ser aquela mãezona! Só que não...

Hije foi dia de Corta-mato na escola.
Não falavam de outra coisa há dias!!!
Fui buscá-los expectante!!!!

Ela apareceu primeiro...

- Então querida???? Correu bem???
- Hum... Fiquei em antepenúltimo!..
- Uauuuuu!!! Granda pinta!!!!
- Granda pinta?
- Claro! Se houvesse medalhas para os últimos, ficavas em 3.º lugar!!!
- Não percebo o que isso tem de giro!
- Eu sempre fiquei em último nos corta-matos da escola! És o meu orgulho!!!!

Ele apareceu depois...


- Então querido???
- Fiquei em 4.º!
- Espectacular!!!!!!! Granda pinta!!!!!
- Não é não mãe!
- Claro que é! Ficaste no top 5! Entre os melhores!!! E isso é um máximo!!!
(Ela) - Está a ver mãe? Os melhores são os primeiros! Não são os últimos!

20/11/2017

Acordar de manhã e por os pés no chão!

Acordar de manhã e por os pés no chão. Devagar. Com cuidado. Não podemos correr o risco de partir mais nada. 

Há dias em que, apesar do sol de Outono que entra pela janela, dentro do quarto faz frio e pouca luz. Sabes bem de onde vem a luz. A falta dela. Vem de dentro dos teus olhos. Mas também sabes que é quando metes os pés no chão que tens de mandar a escuridão embora. Porque tem de ser. 

Acordar de manhã e por os pés no chão. Devagar. Com cuidado. 

Despes os pesadelos. Tiras as insónias. Atiras tudo para um canto. E vestes com calma a camisola da coragem. Aquela com que acordavas todos os dias! Mas que agora tens de a vestir quando acordas. Sabes que a vida não tem qualquer pudor em por-te um pé à frente. E por isso não lhe podes mostrar qualquer sinal de fraqueza. Pode ser que assim ela se assuste e te deixe em paz. 

Acordar de manhã e por os pés no chão. Devagar. Com cuidado. 

Vestes o sorriso que guardaste do dia anterior. Ainda dá para por o mesmo. Os outros ficaram no cesto para lavar. Vais usar este até que desapareça. Gasto pelas novas esperanças. Sim! Aquelas que um dia hão de chegar e te trazer um saco cheio de sorrisos novos. Daqueles que não precisas de despir quando te deitas. 

Acordar de manhã. 
Por os pés no chão. 

Com cuidado para não partir o que sobrou! 

19/11/2017

Odeio a mãe em que me torno!

A cada lágrima que cai da tua cara, é um bocado do coração que me é arrancado. 
A cada suspiro teu desesperado, é uma volta apertada no meu estômago. 
A cada sacudidela desmotivada da tua cabeça, é uma espada cravada no meu peito. 
Odeio os trabalhos de casa! Mais do que tu, te garanto. Porque ver-te em sofrimento com eles, doí-me bem mais do que a tua frustração ao fazê-los. 
E aguento-me para não te dizer que tens toda a razão! Que os trabalhos de casa não deveriam existir. Aguento-me para não te dizer que devias era estar estendido no chão a montar as tuas cidades de Playmobil ou esticado no sofá a ver bonecos. Aguento-me para não te dizer que tens toda a razão! Aguento-me para não te arrancar os livros das mãos, sacudir as lágrimas que lá caíram e atirá-los pela janela. Num gesto libertador! Para ti e para mim. 
Odeio ver o teu sofrimento! Odeio ter que ralhar contigo. Odeio ter de te explicar que tens mesmo de os fazer mesmo que não gostes. Odeio ter de te comprar com meia hora de iPad se acabares num instante. Odeio ter de te explicar que o tempo que estás gastar, a refilar para fazeres uma coisa que odeias, é tempo perdido que já poderia ter sido investido nos trabalhos. Odeio! Odeio a mãe em que me torno nestes momentos. Porque odeio mentir-te! E porque odeio ver-te assim. Angustiado e frustrado a fazeres coisas que odeias. 
E mesmo sabendo [e explicando] que, infelizmente, na vida, temos de fazer muitas coisas que não nos dão prazer, e que esta é a primeira, é para aprenderes, é para te habituares, apetecia-me era dizer-te que as horas livres deveriam ser simplesmente isso! Livres. Para fazeres o que realmente te apetece e dá prazer. Que nem os adultos trabalham tanto como as pessoas do teu tamanho! Que nem os adultos têm de pegar no trabalho ao fim do dia. Nem ao fim-de-semana! 

Odeio os trabalhos de casa. E odeio cada lágrima tua vertida em cima das palavras escritas a lápis de carvão. E odeio cada suspiro teu tão carregado de desespero e frustração. Odeio ainda mais não conseguir dar a volta a isto. E não conseguir fazer-te mudar. 

12/11/2017

E vão 14!

Foi há 14 anos que me mandei de armas e bagagens para Bruxelas. Pela primeira vez estava sozinha no Mundo. E para o Mundo! Em busca de um Erasmus que não sabia bem o que era. 
Era uma menina! Uma menina da Foz armada em Menina de Cascais. Não sabia nada da vida apesar de levar todas as certezas absolutas no bolso. 

Há 14 anos vi-me metida numa casa com mais 9 pessoas. Éramos 5 raparigas e 5 rapazes. Cada um mais diferente do outro. Durante meses vivemos debaixo do mesmo tecto! Durante meses tivemos de conviver com os hábitos uns dos outros. Com os costumes. Com as culturas. Com as línguas. Com as educações.

Durante estes meses cresci! Aprendi mais do que alguma vez pensei aprender. Aprendi a viver sozinha, aprendi a viver comigo e aprendi a viver com o Mundo. Abri o coração a pessoas que nunca se cruzariam comigo se não tivesse saído de Cascais. 



O Victor dormia no quarto ao lado do meu. Era ele quem me emprestava o computador para usar o Messenger do Hotmail para falar com os amigos. Era ele que stressava comigo quando os outros não lavavam a loiça. Era ele que me acompanhava nas compras. Era ele que vinha aninhar-se no sofá com o seu chá à noite a ouvir os meus desabafos e a contar-me como foi viver no Ruanda nos anos 90. Foi ele que me ensinou a olhar para a vida de frente! Também era ele que me dava raspanetes quando eu acordava de ressaca porque era ele quem me dizia de véspera para não beber demais! E era ele que fazia o melhor Gratin Dauphinois! (No dia do Gratin, ninguém fazia jantar porque todos nós colávamos ao dele!) 

Esta semana o Victor ligou-me a dizer que ia fazer escala em Lisboa. Este Domingo foi passado (todinho) com ele. 14 anos depois que foi como se tivessem passado só algumas horas! E ele continuou a dar-me os mesmos raspanetes, os mesmos mimos e a mesma confiança para olhar a vida de frente! 

Mas qual é o mal???



Bem... Eu até tenho medo de me pronunciar sobre este tema... Porque julgo ser a única pessoa neste país que... Não percebe qual é o mal de uma data de pessoas empreendedoras, estrangeiras e inteligentes jantarem no Panteão!!! 

Vejamos... Aquilo já não é um local de culto. Estão lá pessoas sepultadas, é certo, mas ninguém lhes estava a faltar ao respeito. E mesmo que ainda fosse um local de culto... Já vi muito casamento dentro de igrejas ser bem mais ofensivo para o culto do que uns gajos a comer Foie Gras de entrada! 

O Panteão Nacional já não serve a Igreja. Pertence ao Estado. Se o nosso estado é laico... (e até existe uma tabela de preços para eventos no Panteão! Ah!! Alguém a fez!!!) Não vejo mal nenhum em lá ir lá um bando de tipos bem postos e bem vestidos jantar! É como se estivessem a jantar num museu. Adorava ter ido! 

Viram bem a fotografia do jantar?? Olharam bem para aquela beleza? 
Não era propriamente uma rave com gajas nuas a snifarem atrás do Camões... E quem nunca contou uma anedota dentro de um cemitério para aliviar a tensão de um enterro, que atire a primeira pedra!!! Seus hereges!!!! 

É bonito [e importante] que pessoas de fora conheçam a nossa História e os nossos antepassados. E que antepassados ali estão! Contam muito sobre a nossa raça e a nossa força. E que continuem a investir e a trazer ideias novas para cá. 

Ao menos eles estiveram interessados em lá ir! Quantos de vocês já lá meteram as unhas para homenagear um só defunto que lá está? Eu nunca! Mas também não ando por aí a azucrinar a moleirinha das pessoas. Só porque Portugal ganhou à Suiça, não chove e por isso ninguém fica doente, o assunto dos incêndios já morreu e as pessoas não têm mais nada do que falar.